História

A história da Cooperativa Agropecuária Mista de São Vicente de Minas (COOASAVI) começou com um sonho: o de fortalecer e viabilizar a atividade agropecuária no seu município de origem. A ideia era buscar uma solução viável para baratear o custo de produção dos insumos e tê-los disponíveis no mercado local, facilitando, assim, o trabalho de todos os produtores. Com a iniciativa do sr. Paulo César Durço, Engenheiro Agrônomo com várias especializações em cooperativismo, um grupo de seis a oitos produtores reuniram-se e decidiram unir forças para tornar aquele desejo uma realidade.

Depois de um trabalho de conscientização junto ao público-alvo, em 1º de outubro de 1990, após publicar edital de convocação, instalou-se a Assembleia de Constituição, presidida por Paulo César Durço. Na oportunidade, foi fundada a Cooperativa Agropecuária Mista de São Vicente de Minas Ltda. (COOASAVI), com 21 associados, registrada na Junta Comercial do Estado e também na Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (OCEMG).

Primeiros passos

Em março de 1991, após consolidar um capital social reunindo mais cooperados, foi montada uma loja de produtos veterinários, a qual funcionava na Praça Governador Valadares, tendo apenas um funcionário: Leandro Arantes, técnico agrícola, hoje Gerente Geral da Fábrica de Rações. Outra iniciativa da Diretoria foi obter um financiamento Rural para aquisição de 200 toneladas de calcário e 7 mil sacas de adubo, os quais foram repassados aos produtores na forma de Crédito Rural. Com essa iniciativa, a COOSAVI tomou um novo impulso em seu movimento financeiro, bem como na expansão de seu quadro social, reunindo cerca de 100 cooperados.

Fábrica de Rações

Na sequência, a COOASAVI iniciou suas atividades na comercialização de rações, buscando oferecer melhores condições aos produtores com negociações diretas com os fornecedores. Visualizando que poderia aprimorar ainda mais o preço da ração, a Diretoria então fixou como meta a construção de uma Fábrica de Rações no município. Para viabilizar o empreendimento, buscou-se o apoio da Prefeitura Municipal de São Vicente de Minas na doação de um terreno, o qual foi permutado com outro terreno, de 2,5 hectares, localizado à margem da rodovia MGT 383, facilitando o acesso e o escoamento da produção. No início de suas atividades, em 1992, a fábrica produzia cerca de 1 mil sacas/mês, hoje, este número está em torno de 20 mil sacas/mês.

Crédito Rural

Com a demanda crescente pela matéria-prima, principalmente o milho, a Diretoria, necessitando aumentar o capital de giro da cooperativa, optou por criar um Sistema de Crédito Cooperativo, autorizado a funcionar pelo Banco Central, inaugurando, no dia 21 de novembro de 1993, a Cooperativa de Crédito Rural de São Vicente de Minas (SICOOB CREDISAVI), sendo o sr. Paulo César Durço o seu presidente. Na época, César também ocupava a presidência da cooperativa de produção.

Fortalecimento

Já sob outras administrações (Carlos Vamberto Araújo, Renato Vilela, Ricardo Araújo e Ronaldo Reis Laredo como Presidentes), a COOASAVI foi se fortalecendo e fazendo os investimentos necessários, como a construção dos silos para armazenamento da produção própria e de cooperados, a ampliação da loja de produtos veterinários e a intensificação da comercialização de produtos no setor de agropecuária, tornando-se polo regional na venda de rações. Com isso, conseguiu aumentar consideravelmente o seu faturamento anual. Em 2016, buscando atender os produtores de municípios mais distantes da região, a COOASAVI abriu uma loja filial em Liberdade-MG, inaugurada em outubro daquele ano e reinaugurada em 10 de março de 2017.

Reconhecimento e credibilidade

Atualmente, a COOASAVI é reconhecida pelo seu trabalho sério e comprometido com o produtor rural, desfrutando de alta credibilidade no mercado de fornecedores e representando um modelo de cooperativismo na região. Os números atuais comprovam o sucesso da iniciativa, ancorado pelo profissionalismo na gestão e o comprometimento tanto da administração quanto dos cooperados. Em 2016, a COOASAVI apresentou faturamento anual de cerca de 32 milhões, com mais de 600 cooperados, mais de 40 funcionários e atendendo a 27 municípios da região.